Sede centro

48 3224-4337 / 3224-4925
               3224-5884 / 3223-6954
.

Taxa de desemprego diminui, mas por aumento da informalidade, que bate recorde

Avalie este item
(0 votos)
30 Agosto 2019
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo IBGE na sexta-feira dia 30 de agosto mostra que a taxa de desemprego recuou no país, mas devido à criação de vagas no mercado informal, que bateu novo recorde. No trimestre encerrado em julho, a taxa de desocupação caiu para 11,8%, o que representa 12,6 milhões de pessoas desempregadas, contra 12,5% no trimestre imediatamente anterior (fevereiro a abril de 2019). Por sua vez, o número de trabalhadores empregados sem carteira assinada atingiu 11,7 milhões no período, enquanto os trabalhadores por conta própria sem CNPJ chegaram a 24,2 milhões.
O nível de informalidade dos trabalhadores ocupados é recorde dentro da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), iniciada no primeiro trimestre de 2012. A condição, prejudicial ao trabalhador, já atinge 38,683 milhões de pessoas, o que corresponde a 42,3% da população economicamente ocupada do país. No chamado trimestre móvel de fevereiro, março e abril, esse percentual era de 41,3%.
São considerados informais as pessoas empregadas no setor privado sem registro na carteira, trabalhadores domésticos também sem carteira, trabalhadores “por conta própria” sem CNPJ e empregadores sem CNPJ, além de pessoas que ajudam parentes e amigos.
“Desde o início da crise econômica a inserção por conta própria vem sendo ampliada em função da falta de oportunidade no mercado formal. Um dos sinais de recuperação do mercado de trabalho, dada experiências em crises anteriores, é a redução desta forma de inserção, que atingiu o nível mais alto neste trimestre”, explicou o gerente da PNAD Contínua, Cimar Azeredo.
Nos meses de maio, junho e julho, foram criados apenas 10 mil postos de trabalho regulares. O número de empregados no setor privado com carteira assinada marcou 33,1 milhões, marca considerada estável pelo instituto, em comparação ao trimestre anterior e ao mesmo período do ano passado.
Com o aumento no número de postos sem carteira cai também média salarial da população. Segundo o IBGE, o rendimento médio real habitual do trabalhador chegou a R$ 2.286, contra R$ 2.311 nos três meses antes. O número de empregados no setor privado com carteira assinada marcou 33,1 milhões, estável em comparação ao trimestre anterior e ao mesmo período do ano passado.
A força de trabalho total – a soma das pessoas ocupadas e desocupada – é também a maior da série histórica, estimada em 106,2 milhões: um aumento de 610 mil pessoas (0,6%) quanto ao trimestre anterior e de 2 milhões (1,9%) no mesmo período do ano passado.

Filiado

filiado cut filiado contracs filiado fecesc filiado dieese

Rua Jerônimo Coelho nº 345 / Ed. Julieta / 2º andar / Centro
Fones/Fax: (048) 3224-4337 / 3224-4925 / 3224-5884 / 3223-6954 / Caixa Postal 789
CEP 88.010-030 / Florianópolis / Santa Catarina
Atendimento: Segunda à sexta / 08h às 12h / 14h às 18h